Joclécio Azevedo
Nasci no Brasil em 1969 e vivo no Porto desde 1990. Sou coreógrafo independente desde 1999, embora os meus trabalhos atravessem também diferentes disciplinas artísticas. Desde 2012 integro o projecto “Artista residente” da Circular Associação Cultural em Vila do Conde. A partir de 2017 sou colaborador do i2ADS Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade da Faculdade de Belas Artes, Universidade do Porto, colaborando com o NAI Núcleo de Arte Intermedia. No meu trabalho tento acionar à volta de cada novo projeto mecanismos de apresentação, de observação e de discussão que alimentem contradições e que possuam um carácter transitório, contribuindo para a circulação dinâmica de ideias e tentando libertar o processo do produto ou objecto artístico. O corpo surge como uma ferramenta que fornece uma escala e uma plataforma de ligação aos outros. O que me fascina é perceber que cada corpo tem uma duração, um tempo de vida que lhe proporciona potência e fragilidade. Este tempo de vida e aquilo que nos permitimos fazer com ele torna-se um processo permanente de interrogação e de experimentação estética, ética e política. Esta residência no GRANER integra o processo de criação da peça “Documentário”, cuja estreia acontecerá em maio de 2018 no Festival DDD e que contará com a colaboração de Pedro Tudela, Paulo Mendes e diversos artistas e investigadores convidados. Nesta pesquisa andamos à volta de ideias ligadas às palavras documento, documentário e documentação, tentando pensar as implicações do ato de documentar na arte e na vida.
Nicolas Poggi
Somos un colectivo de artistas argentinos y mexicanos que se consolida mediante el desarrollo de creaciones escénicas y de investigación, colaborando con instituciones estatales e independientes.Nuestro trabajo crea una plataforma que se organiza según el proyecto que nos convoca. Su creador inicial es Nicolas Poggi, junto a la gestión y producción de Mariana Pessoa y desarrollan estrategias para crear redes y circuitos en colaboración, apoyados por el Museo Universitario El Chopo y el Instituto Universitario Patagónico de las Artes.

______

Documentário by Joclécio Azevedo

How can we deal with the glut of images and information that we have constantly at our fingertips, that are all struggling to get our attention?

Is it possible to build a place of not knowing that allows us to reconfigure our imaginary realms?

How can we use our own bodies as recording equipment, as a producer of memories that are in the process of being made?

Documentário is a co-production of the Teatro Municipal do Porto Rivoli – Campo Alegre and is a project funded by the Arts Department of the Portuguese Republic’s Culture Ministry.

Lo que no se ve by Nicolás Poggi

What cannot be seen is what can be imagined, what you imagine is what does not happen. We use the ridiculous to give new meanings to impossible stories and to turn spaces into possible scenarios. We create fictions and deny them. This piece is an exploration of the imagination and of possible ways of developing it.

Performers: Nicolás Poggi, Quillen Mut, Ricardo Rojas, Ana Zambrano
Lighting and music: Agustín Colli
Production / management: Mariana Pessoa

______